Assine nossa newsletter e fique por dentro!

  • Facebook
  • Instagram
CAJU PRODUÇÕES

+55 (27) 3026 0051

caju@cajuproducoes.art.br

www.cajuproducoes.art.br

CONHECENDO O CINE.EMA

Afinal, quem é a Ema?

Ema é aquela que tudo abraça, universal, o nome tem origem teutônica, oriental, é feminina, “ativa”, forte. Com as letras de “Ema” você escreve “Mãe” e a palavra, ao contrário, forma “ame”. Salve Mãe natureza... Ema também é a maior ave brasileira, maior ave da América do Sul. Suas asas não permitem voos, mas fazem se transformar em majestade, rainhas da terra.

A Pedra da Ema

A Pedra da Ema é um ícone paisagístico e natural do distrito de Burarama, em Cachoeiro de Itapemirim, e símbolo do Festival Nacional de Cinema Ambiental do Espírito Santo, o Cine.Ema. Sempre no horário da tarde, os raios de sol fazem com que uma enorme falha na rocha forme a figura exata de uma ema. A visualização desta ave pernalta é perfeita entre os meses de junho e setembro.

A Pedra da Ema é monumento natural localizado no Distrito de Burarama, em Cachoeiro de Itapemirim. De acordo com a posição do sol, é possível visualizar em seus paredões a imagem de uma grande ave, isto motivou o nome do local. Diferente de outras pedras famosas, como a Pedra Azul, a Pedra da Ema não tem uma saliência rochosa e sim um jogo de luzes e sombras que formam a imagem da ema.

(Fonte: Biblioteca IBGE)
 

Foto de Lívia Batistine

A lenda

Segundo a lenda, existe um sino de ouro enterrado na pedra da Ema pelo escravo de certo fazendeiro, quando se iniciou o povoamento do sul da Capitania. Dizem que um fazendeiro participou das entradas para as minas de ouro, onde explorou o metal empregado na feitura do sino. Perseguido pelos índios furiosos, diante das atrocidades ali cometidas, desceu, acompanhado de um escravo esperto que, vendo-o cair, atravessado por uma flecha, logo o enterrou com o valioso objeto. Sepultado, antes mesmo de exalar o último suspiro, o fazendeiro reaparece, na forma de uma ave, porque sua alma, presa ainda à ambição do ouro, anseia alar-se para o Infinito.


MARIA STELLA DE NOVAES
Adaptado. Lendas Capixabas, 1968, p. 81

Quem veio primeiro?

A Ema ou o Cinema?

O surgimento das aves data de milhões de anos atrás, na chamada era Mesozoica. O cinema, surgiu no final do século 19 na França. A ema é um pássaro natural da América do Sul. O cinema surgiu na França e ganhou o mundo. A ema é um pássaro que, embora tenha asas, não voa. Mas, através do cinema, a ema ganha o mundo. E o mundo pousa suas asas mais diversas na tela.  Em Burarama, pequeno distrito no interior de Cachoeiro de Itapemirim, sul do Espírito Santo, há uma pedra símbolo da região, em cuja estrutura uma espécie de fenda, de acordo com a posição do sol, projeta a figura de uma ema. O curioso é que o cinema se dá pela projeção de imagens em movimento numa superfície, graças à incidência da luz. Antes mesmo de os irmãos Lumière inventarem o cinema, o sol já se encarregava de fazer cinema na pedra, que só mais tarde seria chamada de pedra da Ema.

Logo, neste caso peculiar de cinema, nesta ema desenhada pelo sol, ambos surgem ao mesmo tempo em que a luz projetada faz o desenho de uma ave que do alto da pedra assiste a todos que assistem a ela. Interessante é que o nome ema está na palavra cinema. Sem ele (projeção de luz), a ema não seria vista na pedra. Sem ela, a ema, o nome cinema ficaria incompleto. Se emas não existissem, não saberíamos dizer que figura a luz/sombra desenha na pedra.

Em 2015, surgiu a ideia de se fazer um festival de cinema ambiental neste lugarzinho do Espírito Santo em que a natureza ainda pode ser contemplada. Lugar de matas e cachoeiras, de tardes frescas e risadas, de café que cheira atraente, de alinhavar de uma bordadeira. Mas, que nome teria este evento? Burarama e cinema... Burarama, pedra da ema... Cinema... Ema... Ci... CinEEma! O nome veio como luz que pousa e cria.

Para além da brincadeira com a forma e o sentido das palavras Cinema e Ema, o que precisa vir primeiro é a nossa sensibilização para que o mundo seja preservado e assim possa ser visto, cheio de vida, pelas telas do cinema ou pelos olhos que contemplam a ema. E que espécies como esta ave não se tornem lenda, ou só um desenho esquecido numa rocha. A arte é o que dá sentido à vida. Por meio dela, podemos expressar sentimentos e preservar o mundo, o meio do qual somos parte.

Ériton Berçaco

Idealizador do nome do festival "Cineema".

Professor de Literatura, realizador cultural, e curador do Fecin - Festival de TV e Cinema de Muqui.